Mais de 600 trabalhadores vão sair do BPI, a maioria no âmbito do programa aberto em abril, com um custo de 106 milhões de euros, mas que trará poupanças anuais de 36 milhões de euros ao banco, segundo informação ao mercado.

O Banco BPI informa que foi concluído o programa de reformas antecipadas e rescisões voluntárias anunciado em 27 de abril de 2017. Em resultado do programa sairão progressivamente dos quadros do banco 519 colaboradores, 292 por reforma antecipada e 227 por rescisão voluntária”, referiu a instituição em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Este programa de redução de trabalhadores foi aberto pelo banco após ter passado a ser controlado pelo grupo espanhol CaixaBank no início do ano, no âmbito de uma oferta pública de aquisição (OPA).

Além destes 519 anunciados, já tinham acordado a saída - antes deste programa mas que terão as mesmas condições-  mais 98 trabalhadores.

Ou seja, ao todo, vão sair do BPI 617 trabalhadores - 544 este ano e 73 em 2018. O custo das aídas está calculado em 106 milhões de euros e será refletido já nas contas do primeiro semestre, que serão apresentadas terça-feira, da próxima semana.