Repôr permanentemente as fronteiras no espaço Schengen pode custar 110 mil milhões de euros na próxima década, alerta o grupo de reflexão France Strategie, um think tank ligado diretamente ao gabinete do primeiro-ministro francês, que realizou um estudo sobre a matéria.

Só a França iria perder 10 mil milhões de euros, numa fatura que sairia bem cara à Europa, com uma queda abrupta no turismo.

O jornal alemão Spiegel revela que o ministro alemão do Interior, Thomas de Maizière, quer estende o controlo de fronteiras, que está em vigor na Alemanha desde setembro, por “um período indefinido”.

O governo alemão deverá adotar esta quarta-feira o controverso Pacote de Asilo II, um pacote de reformas para reduzir e controlar o afluxo de migrantes no país.

O espaço Schengen foi estabelecido em 1995 para abolir as fronteiras internas na Europa e permite atualmente a livre circulação entre 26 países. Entre os 28 países da união, a passagem é livre entre 22. Fora da UE, também não há restrições na Noruega, Suíça. Islândia e Lichtenstein.