O lucro da Media Capital ascendeu a 7,4 milhões de euros no primeiro semestre, situando-se praticamente ao mesmo nível do montante registado em igual período de 2015, anunciou esta quinta-feira a dona da TVI.

O total de rendimentos operacionais subiu 4% no semestre em análise para 85,2 milhões de euros e o resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) aumentou 6% para 17,2 milhões de euros, adiantou a empresa em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Os resultados operacionais cresceram 4% no primeiro semestre para 13 milhões de euros.

"A melhoria operacional não se traduziu na mesma medida no resultado líquido derivado da contribuição positiva das diferenças cambiais (sobre financiamentos concedidos) no primeiro semestre de 2015 e das perdas em empresas associadas registadas em 2016 na atividade de produção audiovisual em Espanha", explicou a empresa.

O total de rendimentos operacionais no segmento de televisão subiu 3% para 70 milhões de euros, com a publicidade a totalizar 50 milhões de euros, o que representa um aumento de 6% face aos primeiros seis meses de 2015.

A Media Capital explica o aumento das receitas de publicidade na televisão "em virtude do bom desempenho de audiências e comercial".

Os outros rendimentos de televisão, que englobam, entre outros, proveitos de cedência de sinal, serviços multimédia e vendas de conteúdos, diminuíram 1% no período em análise "em virtude, sobretudo, dos menores rendimentos com serviços multimédia e vendas de conteúdos, não suficientemente compensados pelo incremento em direitos de sinal".

Relativamente a este último, "é de destacar que no decurso do primeiro trimestre foram assinados acordos de transmissão de direitos de sinal com a plataforma Meo, que englobam os canais TVI (generalista), TVI24 e a manutenção do exclusivo do canal TVI Ficção".

A Media Capital adianta que no segundo trimestre a variação foi positiva em 2%, "desta feita com a contribuição dos direitos de sinal a sobrepor-se ao efeito negativo dos serviços multimédia e das vendas de conteúdos".

Os gastos operacionais na televisão subiram 2% para 55,5 milhões de euros e o EBITDA progrediu 9% para 14,6 milhões de euros.

O resultado operacional (EBIT) neste segmento subiu 11% para 13,3 milhões de euros.

No segmento da produção audiovisual, os rendimentos subiram 13% para 22,2 milhões de euros.

"Em Portugal, os rendimentos operacionais aumentaram cerca de 16% em termos homólogos (+17% no segundo trimestre), com a maior atividade de produção televisiva a compensar uma queda ligeira da restante atividade", refere a dona da TVI, salientando que no que respeita Espanha, "os rendimentos operacionais refletem uma queda da faturação para clientes daquele país, derivado do atraso na calendarização da produção".

O EBITDA neste segmento caiu 64% para 122 mil euros.