Se deixou de ver anúncios a casas para arrendar não pense que é mera impressão sua. Nos últimos três anos, o número de apartamentos disponíveis para arrendar caiu a pique em Lisboa e no Porto e a tendência parece ser relativamente transversal a todo o país, noticia o Negócios.

Esta quebra tem sido acompanhada por um aumento considerável do valor das rendas, tornando o desejo de viver numa casa arrendada nas grandes cidades em algo quase impossível de concretizar: em alguns bairros quase não se encontram casas disponíveis e as poucas raridades que existem têm preços desproporcionais face à qualidade que oferecem. 

Entre Maio de 2013 e Maio de 2016, o número de casas disponíveis para arrendamento caiu cerca de 75% em Lisboa, revelam os dados que o Negócios solicitou ao portal Casa Sapo e à Remax, boas amostras do mercado. No Porto, a quebra é ainda maior: em torno de 85%. Os dados são de fontes diferentes mas aproximam-se muito no que diz respeito à evolução dos apartamentos disponíveis para arrendar. 

Segundo os dados do Casa Sapo, o maior tombo deu-se logo em 2014, prosseguindo esta tendência nos anos seguintes. Na compra de casa, tal já não se verifica. Embora tenha havido uma quebra significativa em 2014, o número de casas disponíveis para venda recuperou, em grande medida, logo em 2015, mantendo-se depois relativamente estável no ano seguinte. No conjunto dos três anos, revelam os mesmos dados, a quebra no número de casas disponíveis para venda é de 47% em Lisboa, 17% no Porto e 15% a nível nacional – muito longe, portanto, da queda do arrendamento.