A troika está dececionada com o ajustamento salarial em Portugal, especialmente nos setores menos sujeitos a concorrência, como a energia, telecomunicações ou transportes. Neste setores, frisa o Jornal de Negócios, os trabalhadores também beneficiam das rendas excessivas conseguidas pelos acionistas.

O ajustamento de salários e preços estará na mira da décima avaliação da troika que começa na quarta-feira, apurou o jornal.

A preocupação com os desenvolvimentos salariais ficou bem evidente nos últimos relatórios da troika. Para o FMI o ajustamento conseguido foi limitado e sem uma redução forte nos preços relativos dos não transacionáveis.