A CGTP quer aumentos salariais de 3% para o próximo ano e a fixação do salário mínimo nacional nos 540 euros em janeiro de 2015.

A proposta de política reivindicativa da comissão Executiva vai ser discutida esta terça-feira no Conselho Nacional da CGTP-IN, e que servirá de orientação aos sindicatos da central para o período de negociação e reivindicação que se avizinha, escreve a Lusa.

A Intersindical defende que todos os trabalhadores devem ter um aumento salarial de pelo menos 30 euros.

Para o SMN, a CGTP reivindica um aumento de 30 euros retroativo a 1 de junho, para os 515 euros, e um novo aumento no início de 2015, para os 540 euros ou 545 euros.

O objetivo é que esta remuneração passe para os 600 euros em 2016, de forma gradual, disse à Lusa outra fonte sindical.

O Conselho Nacional da CGTP reúne-se esta terça-feira pela primeira vez após o período de férias para analisar a situação laboral, social, económica e política do país, definir a política reivindicativa para 2015 e decidir ações de luta a desenvolver nos próximos tempos, que pode incluir a marcação de uma ação de luta para outubro ou novembro.