O presidente executivo da EDP, António Mexia, admitiu esta quinta-feira que o projeto eólico ‘offshore' (em mar) em curso na Escócia possa sofrer atrasos, na sequência do Brexit, a saída do Reino Unido da União Europeia.

"No projeto da Escócia poderá haver adiamentos sobre o lançamento do concurso no qual continuamos interessados. Sempre investimos libras para receber libras", afirmou hoje António Mexia, quando questionado sobre o impacto do 'Brexit' para o grupo.

Em declarações aos jornalistas, à margem da conferência 'O Futuro da Energia', o presidente da EDP adiantou que "o projeto está à espera de uma decisão política", restando "esperar".

Na semana passada, o Reino Unido realizou um referendo sobre a permanência na União Europeia e os eleitores britânicos optaram pela saída do projeto de integração europeu.

Os resultados do referendo levaram à demissão do primeiro-ministro David Cameron e a uma desvalorização da moeda britânica, a libra.