Mais de um terço dos 50.196 desempregados que se reformaram antecipadamente nos últimos anos recebe uma pensão inferior a 400 euros por mês e 16,4% vive com menos de 300 euros. Estes números, noticiado pelo Público, foram enviados pelo Ministério do Trabalho e da Segurança Social ao grupo parlamentar do PCP em resposta a uma pergunta feita pelas deputadas Rita Rato e Diana Ferreira.

Na pergunta enviada ao ministro Vieira da Silva, as deputadas criticam as políticas seguidas pelo Governo anterior que se traduziram “num número muito significativo de desempregados de longa duração com idades compreendidas entre os 52 e os 57 anos”.

Muitos destas pessoas, acrescentam, como tiveram salários baixos ao longo da sua carreira contributiva, recebem “pensões muito baixas (…) e fixam-se muitas vezes em valores pouco acima dos 100 euros mensais e até abaixo deste montante”. Foi partindo destas considerações que  as deputadas do PCP pediram ao ministério do Trabalho informação sobre o número novas pensões antecipadas por desemprego de longa duração  atribuídas ao longo dos anos e a sua distribuição pelos vários escalões.