“A decisão da Grécia de organizar um referendo sobre a proposta dos credores é um sinal suplementar de que o governo de Tsipras vai privilegiar a política interna em detrimento da estabilidade económica e financeira (e) do pagamento da dívida”, justificou a agência, em comunicado.