A Cimpor fechou o primeiro semestre com prejuízos de 75 milhões. Ainda assim, a cimenteira vê alguns sinais positivos no mercado, mas as eleições autárquicas são insificientes para a retoma. A empresa anunciou também uma reestruturação da comissão executiva.

A Cimpor anunciou esta segunda-feira uma reestruturação da comissão executiva, que passa de quatro para três administradores, mantendo-se Ricardo Lima à frente dos destinos da cimenteira detida pela brasileira InterCement.

Em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Cimpor informou terem sido designados Claudio Borin Guedes Palaia e Nélson Tambelini Júnior para membros do conselho de administração e da comissão executiva, na sequência da renúncia de André Gama, Daniel Bastos e Armando Silva.

Claudio Palaia vai exercer o cargo de administrador financeiro da empresa que hoje divulgou os resultados relativos ao primeiro semestre deste ano.

A Cimpor fechou o primeiro semestre com prejuízos de 75 milhões de euros, que compara com os 204,8 milhões de euros no período homólogo, apesar da adversidade cambial sentida em várias geografias face ao euro, anunciou hoje a empresa.

Em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Cimpor anunciou um aumento de 19,6% no volume de negócios, para 1,3 mil milhões de euros, decorrente do alargamento da atividade na América do Sul, tendo sido prejudicado pela desvalorização cambial superior a 10% do real brasileiro face ao euro.

Até junho, o resultado antes de juros, impostos, amortizações e depreciações (EBITDA) aumentou 6%, para 284 milhões de euros, apesar de 47 milhões de euros de efeitos não recorrentes e de 32 milhões de euros em perdas cambiais.

Eleições autárquicas são insuficientes para travar queda no consumo de cimento

O consumo de cimento deverá manter-se este ano em valores inferiores aos de 2012, apesar da proximidade das eleições autárquicas, de acordo com as previsões da Cimpor.

«Espera-se que, em Portugal, o consumo de cimento se mantenha ainda em valores inferiores a 2012 apesar da proximidade das eleições autárquicas», antecipa a cimenteira no comunicado relativo aos resultados do primeiro semestre deste ano, período em que reduziu os prejuízos para 75 milhões de euros.

Ainda assim, a Cimpor reconhece a existência de «sinais, ainda muito ténues, de recuperação da economia», sublinhando ainda que os «resultados positivos da atividade exportadora são animadores».

A nível mais global, a cimenteira também refere os «sinais positivos após trimestres consecutivos de recessão».