As comissões de trabalhadores (CT) das empresas fornecedoras da Autoeuropa, no parque industrial da fábrica em Palmela, estão preocupadas com o «esvaziamento» do negócio e falam em risco de «encerramentos.»

No comunicado divulgado esta quinta-feira, as CT afirmam que «o esvaziamento do negócio que se faz sentir em alguns fornecedores» faz com que, em alguns casos, estejam a passar por dificuldades na manutenção e nos postos de trabalho, «havendo mesmo o risco de encerramentos.»

A comissão executiva da comissão coordenadora das CT ligadas às empresas do complexo industrial da Autoeuropa deu a conhecer o encontro com todos os representantes dos trabalhadores das empresas marcado para dia 02 de fevereiro, de forma a avaliar as medidas a tomar.

No cerne da questão está, também, «a sistemática pressão para a redução de custos a que os fornecedores estão sujeitos», quando concorrem a produtos futuros. A situação pode se refletir numa «política de baixos salários» e em «dumping social», afirma o comunicado, que surgiu na sequência de uma reunião realizada pela estrutura laboral.

«Não ter em consideração a componente social, mas somente a financeira, terá como consequência piores condições de trabalho, aumento da precariedade, e simultaneamente a baixa da qualidade e especialidade da mão-de-obra», acrescentou a comissão.