A Refer - Rede Ferroviária Nacional fechou 2014 com prejuízos de 89 milhões de euros, o que corresponde ao resultado obtido em 2013, beneficiando de um crescimento do tráfego, sobretudo de mercadorias.

Em 2014, a gestora da rede ferroviária teve receitas operacionais de 191,6 milhões de euros, mais 13% em termos homólogos, enquanto os custos operacionais subiram 12% para 233,7 milhões de euros.

Assim, os resultados operacionais da empresa agravaram-se em 7% para os 42 milhões de euros, anunciou hoje o presidente da Infraestruturas de Portugal, empresa que resulta da fusão da Refer com a Estradas de Portugal (EP).

Num ano marcado pela preparação do processo de fusão com a Estradas de Portugal (EP), a Refer reduziu em 10% os custos com pessoal, para 81 milhões de euros, resultado da queda do efetivo médio e pelo reconhecimento de cinco milhões de euros em 2013 relativos à reposição do subsídio de férias.

A Refer encerrou 2014 com 2.522 trabalhadores, menos 24 do que no ano anterior.

Aos jornalistas, António Ramalho destacou o aumento de capital realizado pelo Estado em 1.034 milhões de euros, o que permitiu baixar a dívida da empresa em 743 milhões de euros, para 6.418 milhões de euros, bem como a regularização de créditos sobre clientes no montante de 209 milhões de euros.

No último ano, o tráfego aumentou em 3%, impulsionado pelo transporte de mercadorias que registou um crescimento de 11%