O ministro da Economia, António Pires de Lima, apelou esta quarta-feira no parlamento a um entendimento entre agentes políticos e institucionais, que permita criar condições para uma «moderação fiscal» que «contagie positivamente a economia» nacional.

«É fundamental que os agentes políticos e institucionais saibam, com maturidade, responsabilidade financeira e democrática, criar pontes de compromisso e de entendimento que garantam aos cidadãos, aos trabalhadores e às empresas condições para uma moderação fiscal e para um desenvolvimento mais pleno da nossa sociedade que contagie positivamente a nossa economia», afirmou o ministro no debate do estado da Nação, que decorreu esta tarde no Parlamento.

No final de um discurso centrado na recuperação económica do país, nomeadamente no regresso da confiança dos investidores, Pires de Lima defendeu que, com este entendimento, «estarão criadas as condições de estabilidade para que os mercados e os investidores continuem a olhar com confiança» para o país.

Depois de uma ronda de perguntas pela oposição, e perante as críticas da bancada socialista, o ministro admitiu que um crescimento entre 1 e 1,5% do PIB é «pouco para a ambição» do Governo, mas que «ainda assim é o triplo do que a economia cresceu quando o PS estava no poder - e com uma situação de equilíbrio».

«É preciso não ter consciência da realidade para não verificar a alteração substancial na mudança de paradigma» entre os dois Governos, disse o ministro.