O fabricante automóvel Chrysler anunciou que vai recolher 792.300 veículos SUV para reparar um problema com a ignição, o mesmo motivo que levou a General Motors a tomar uma medida semelhante.

O fabricante, um subsidiário da Fiat/Chrysler, referiu que se trata de uma medida de precaução e que o problema detetado não causou danos ou ferimentos conhecidos aos seus utilizadores.

A Chrysler avançou com esta medida porque a chave da ignição dos veículos SUV podia ser movida inadvertidamente da posição «on», interferindo no motor, reduzindo a capacidade de travagem e desativando eventualmente os airbags frontais.

A Chrysler adiantou que aquele problema na ignição podia ser acionado acidentalmente pelo toque ou pressão do joelho do condutor.

O fabricante garantiu que não há registo de ferimentos causados nos condutores pela deficiência detetada nos veículos, sendo a percentagem de reclamações de 0,015 por cento relativamente ao número de veículos chamados à verificaçáo de segurança.

A recolha dos veículos abrange o modelos 2006-2007 do Jeep Commander e o modelo 2005-2007 do Jeep Grand Cherokee, ambos veículos SUV.

A Chrysler alertou os donos daqueles veículos para assegurarem que há espaço suficiente entre os seus joelhos e as chaves, sugerindo também que os condutores não pendurem outros objetos no porta-chaves utilizado para conduzir o veículo.

A recolha surgiu depois da entidade nacional que zela pela segurança rovodiária - National Highway Traffic Safety Administration - ter investigado o sistema de air bags naqueles modelos no seguimento de algumas reclamações relacionadas com a rotação inadvertida da chave de ignição.

Também a General Motors detetou problemas idênticos na ignição, tendo recolhido 2,6 milhões de carros desde fevereiro para verificações técnicas.

O problema resulta que a chave de ignição pode desligar-se, inadvertidamente, com o carro em andamento, retirando a força do motor e desativando os airbags em caso de colisão.