O banco central da Eslovénia, pequeno país da zona euro, anunciou que precisa de cerca de 4,8 mil milhões de euros para recapitalizar a banca em crise.

A necessidade da recapitalização da banca eslovena, segundo os resultados dos testes de stress [testes de resistência] supervisionados pela União Europeia, é de 4,778 mil milhões de euros, anunciou o presidente do banco central esloveno, Bostjan Jazbec.

Deste montante, cerca de três mil milhões de euros destinam-se aos três maiores bancos públicos, anunciou o presidente do banco central.

A injeção de dinheiro nestes três estabelecimentos ocorrerá «imediatamente depois da autorização da Comissão Europeia (CE)», precisou.

Uma vez concluída a operação, «os bancos eslovenos estarão entre os melhores capitalizados da Europa» e «nada mudará para os clientes», defendeu o presidente do banco central.

O Governo de centro esquerda de Alenka Bratusek tinha anunciado uma recapitalização estimada de 4,7 mil milhões de euros e tinha previsto que seria suficiente para sanear o setor.

O pequeno Estado, de dois milhões de habitantes e resultante do desmembramento ex-Jugoslávia, em recessão desde 2011, foi citado como potencial candidato a uma ajuda internacional devido ao mau estado dos bancos eslovenos.

Os testes de stress aos bancos eslovenos foram efetuados para determinar o montante necessário para a recapitalização dos mesmos e o volume exato dos ativos tóxicos.