«Apesar de o grupo Renault alcançar resultados históricos a nível financeiro, após meses de negociação com a administração, os trabalhadores através dos seus representantes, não alcançaram qualquer entendimento relativo às suas reivindicações», refere um comunicado.


«Perante anos de sucessos do ponto de vista produtivo e financeiro para a empresa, a maioria dos trabalhadores não teve direito a um aumento salarial condigno, apesar de todo o sacrifício exigido.»


«Os trabalhadores da Fábrica da Renault Cacia reunidos em plenário decidem marcar um dia de greve para o dia 1 de abril de 2015 (24 horas), por aumentos de salários justos, por uma mudança de atitude da administração perante a discriminação que esta tem feito relativamente a aumentos salariais e contra o abuso dos vínculos precários na empresa.»