A União Europeia (UE) anunciou esta quinta-feira que se reserva «o direito de tomar medidas» contra a decisão russa «claramente política» de proibir as importações de produtos alimentares europeus e de outros países que impuseram sanções à Rússia.

«Depois de uma avaliação completa pela Comissão Europeia das medidas tomadas pela Federação Russa, reservamo-nos o direito de tomar medidas adequadas», afirmou um porta-voz da Comissão, Frédéric Vincent.

O porta-voz considerou a decisão russa «claramente política» e referiu que as sanções impostas pela UE à Rússia estão «diretamente relacionadas com a anexação ilegal da Crimeia e a desestabilização da Ucrânia».

«A UE continua determinada numa redução da tensão na Ucrânia», disse.

A Rússia decretou esta quinta-feira uma «proibição total» da importação da maioria dos produtos alimentares de países europeus e dos Estados Unidos ,em resposta às sanções que lhe foram impostas.

A proibição, com a duração de um ano, aplica-se à carne de vaca, porco e aves, ao peixe, ao queijo e ao leite, aos legumes e às frutas produzidos nos Estados Unidos, na União Europeia, na Austrália, no Canadá e na Noruega.

Em 2013, as exportações de produtos agrícolas europeus para a Rússia representou 11,8 mil milhões de euros, correspondentes a 9,9% do total de exportações da UE para a Rússia.