O empresário Américo Amorim continua a ser o homem mais rico do país, com 3,3 mil milhões de euros, enquanto a família Espírito Santo desaparece da lista das maiores fortunas de Portugal da revista Exame.

A edição de agosto, que chega às bancas esta quinta-feira, publica a lista dos 25 mais ricos de Portugal, com a Exame a concluir que «os ricos estão menos ricos», com as 25 maiores fortunas a valerem 14,3 mil milhões de euros em 2013, abaixo dos 16,7 mil milhões de 2012. As 25 maiores fortunas equivalem a 8,5% do Produto Interno Bruto (PIB), abaixo dos anteriores 10%.

Segundo a revista, «pela primeira vez em dez anos de estudo, a família Espírito Santo abandona a lista das maiores fortunas», sendo «cinco as baixas deste ano no ranking, todos acionistas do Grupo Espírito Santo, devido à situação adversa das suas holdings».

Assim, Américo Amorim continua a liderar com 3.298,3 milhões de euros. No entanto, o empresário que preside ao grupo Amorim e que é o principal acionista da Galp viu reduzida a sua fortuna em mais de mil milhões de euros, o que a Exame justifica com o desinvestimento no espanhol Banco Popular e com os resultados negativos do Banco Único de Moçambique e do Banco Luso- Brasileiro.

Alexandre Soares dos Santos, dono da Jerónimo Martins, mantém também o segundo lugar, com uma fortuna estimada em 1.634,6 milhões de euros, menos cerca de 500 milhões de euros do que anteriormente.

Já Belmiro de Azevedo sobe um lugar e passa a ter a terceira maior fortuna do país, enquanto a família Guimarães de Mello, do grupo José de Mello, desce para a quarta posição.

O dono da Sonae, que já foi o homem mais rico do país, tem agora uma fortuna avaliada em 1225,8 milhões de euros, mais 15 milhões de euros do que anteriormente, enquanto a família Guimarães de Mello viu a fortuna reduzir-se em quase 500 milhões de euros para 1224,8 milhões de euros.

Já em quinto lugar surge a família Alves Ribeiro, cuja fortuna mais do que duplicou para 1078,5 milhões de euros.

Entre os mais riscos de Portugal estão ainda António Mota e irmãs, com 808 milhões de euros (acima dos 537,8 milhões de euros anteriores), António da Silva Rodrigues com 762 milhões de euros (acima dos 642,9 milhões de euros anteriores) e Fernando Figueiredo dos Santos, com 429 milhões de euros, neste caso abaixo dos 574,9 milhões de euros anteriores.

A mulher mais rica de Portugal volta a ser Maria Isabel dos Santos, que surge em nono lugar nesta lista. Maria Isabel dos Santos, que é uma das principais acionistas da Jerónimo Martins, tem uma fortuna avaliada em 429 milhões de euros, abaixo dos 574,9 milhões de euros do ano anterior.

Por fim, em décimo lugar aparece Fernando Campos Nunes, com 400,9 milhões de euros.