O ministro da Economia, Pires de Lima, que acompanhou esta sexta-feira responsáveis da Altice numa visita à PT Inovação, em Aveiro, disse ter sentido «algumas mensagens de tranquilidade e responsabilidade social».

Após acompanhar Patrick Drahi, fundador da Altice, e Dexter Goei, presidente executivo da empresa que vai comprar a PT Portugal, durante a visita às instalações, Pires de Lima disse aos jornalistas não ter obtido, nem pedido, garantias de manutenção dos postos de trabalho, porque as empresas «dependem do seu sucesso para poderem manter ou criar empregos», mas ter sentido mensagens de tranquilidade.

«Creio que a inovação e a diferenciação são um ativo fundamental para os novos acionistas, caso contrário não teriam vindo a Aveiro e, por outro lado, também vi algumas mensagens de tranquilidade e responsabilidade social que penso são muito importantes para os colaboradores da PT Portugal», disse aos jornalistas.

O grupo Altice vai comprar a PT Portugal, que tem os serviços Meo e Sapo, entre outros, por 7.400 milhões de euros.

Pires de Lima salientou que «o Governo não interfere na gestão de empresas privadas», mas concluiu a visita «com a expectativa de que, uma vez a transação concluída, a PT entre numa nova página», que «terá as suas evoluções, mas onde a tecnologia e à inovação são um ponto fundamental da competitividade».

«Hoje fiz questão de estar com o secretário de Estado Sérgio Monteiro na primeira visita que os futuros acionistas da PT Portugal fizeram à empresa e que, simbolicamente, é uma visita muito importante, que contraria aquilo que alguns espíritos mais inquietos anunciaram há alguns meses», afirmou.

Para o ministro, o facto de os responsáveis pela Altice se terem deslocado ao centro de inovação e tecnologia da PT Portugal em Aveiro, onde trabalham mais de 400 pessoas qualificadas, «é um sinal muito importante porque significa que, depois de um período em que esta empresa foi descapitalizada, os novos acionistas, que pagaram mais de 7 mil milhões de euros pela empresa, estão particularmente atentos e valorizam muito os ativos que vão adquirir», na área da inovação e tecnologia.

«Para existir inovação e tecnologia são fundamentais as pessoas. Elas são o maior valor acrescentado de uma empresa, o que faz da inovação, da tecnologia e de diferenciação o seu ativo principal, como é o caso da PT Portugal», concluiu.