As bolsas europeias registaram uma sessão muito volátil esta quinta-feira, com a incerteza à volta do Brexit naturalmente em pano de fundo. Lisboa encerrou a ganhar 0,3%, na menor valorização europeia. Os ganhos da Galp Energia e Jerónimo Martins acabaram por garantir que o PSI20 pudesse acompanhar o fecho em alta das pares.

As acções da retalhista avançaram 2,61%, impulsionadas por um início de cobertura pelo Berenberg, com uma recomendação de comprar e um preço-alvo de 15,4 euros por acção.

Segundo o Berenberg, "a Biedronka é a melhor posicionada entre as pares para enfrentar dificuldades regulatórias na Polónia, graças à sua escala, melhores margens, e superior habilidade de geração de caixa", cita a Reuters.

Já a petrolífera subiu 2,97%, contrariando a queda do preço do petróleo nos mercados internacionais. A EDP Renovaveis valorizou 0,38% e a casa-mãe EDP 0,11%.

O CEO, António Mexia, afirmou hoje que o projecto eólico offshore Moray Firth na Escócia poderá sofrer um adiamento porque a decisão do Reino Unido de sair da União Europeia gerou muita incerteza.

Na banca, as acções do BPI subiram 0,91% mas as do Millennium bcp voltaram para terrenbo negativo a depreciar 3,7%, corrigindo do disparo da última sessão. 

Entre as praças europeias, as valorizações oscilaram entre os 0,71% de Frankfurt e os 2,27% de Londres, mais uma vez, e curiosamente, a bolsa que mais recuperou. Tudo apesar do clima de incerteza do Brexit.