O sentimento é positivo em todas as bolsas europeias nesta manhã de quarta-feira, graças sobretudo a notícias vindas da China. Embora pairem os receios sobre o abrandamento da economia do gigante asiático, a verdade é que as exportações tiveram um crescimento substancial em Março, de quase 19% e isso está a dar fôlego também à Europa. 

Todas as praças europeias estão então no verde, com Milão, Paris e Frankfurt a subirem mais de 1,7%, Espanha 1,3% e Lisboa um pouco menos, mas ainda assim 0,84% para 4.953,30 pontos.

No PSI20, as ações em maior destaque são as da Mota-Engil, com uma valorização de 3,3% para 1,85 euros. A construtora vai reduzir o pessoal em Angola, redimensionando o negócio naquele mercado na sequência da queda dos preços do petróleo e da crise que, por conseguinte, o país atravessa. Alguns quadros deverão ser deslocados para a América Latina.

Depois, o segundo maior ganho no arranque da sessão cabia ao BCP, a valorizar 2,1% para 0,0346 euros. O banco tem estado a beneficiar com o acordo alcançado há três dias para o BPI. Voltou a especulação sobre a possibilidade de a empresária angolana Isabel dos Santos, saindo do BPI, entrar no capital do BCP…

Ora, esta é precisamente a terceira sessão que as ações do BPI estão suspensas, sem negociar, com a CMVM à espera de mais detalhes sobre a compra da participação de Isabel dos Santos pelos espanhóis do CaixaBank. Ainda não são conhecidos nem valores nem termos concretos do acordo. A última cotação é, assim, de sexta-feira: 1,191 euros.

A suportar a bolsa nacional está também o setor da energia, com a EDP a subir 1,2% para 2,981 euros e a Galp a trepar 1,1% para 11,575 euros.

Embora petróleo esteja hoje a desvalorizar, ontem as cotações dispararam 4% e o barril de Brent - que é aquele que serve de referência para Portugal - está a cotar perto de 44 dólares.