Todas as praças europeias iniciaram a sessão desta quinta-feira a desvalorizar. Os mercados asiáticos até fecharam em máximos de quatro meses, ainda numa reação às declarações vindas da maior economia do mundo, os Estados Unidos, já que a reserva federal norte-americana defendeu cautela na subida das taxas de juro, mas a Europa já não está com esse fôlego.

A correção preços das matérias-primas como o petróleo, que costumam influenciar as negociações, também não está a ajudar. Lisboa estava, de resto, a registar a maior queda da Europa na primeira hora de negociação, com o PSI20 a perder 1,44% para 5.051,98 pontos.

A Galp, depois de ter brilhado na sessão anterior, acusa hoje a queda do petróleo nos mercados internacionais. O Barril de Brent já deixou o patamar dos 39 dólares, desvalorizando 1,2% para 38, 79 dólares.

Ainda na energia, a EDP seguia a perder 1,6% para 3,124 euros.

A pressionar mais o índice nesta sessão está, o entanto, o BCP. Há várias sessões em queda, numa altura em que se coloca o cenário de entrar na corrida ao Novo Banco, hoje os títulos desvalorizam 5,4% para 0,036 euros.

Também o BPI segue a perder, ainda com o impasse sobre o futuro do banco no que toca a conseguir resolver ou não o problema da exposição a Angola. Cada ação vale 1,254 euros, acusando uma desvalorização de 0,7%.

Referência ainda para a Jerónimo Martins: depois de ontem ter atingido em máximos de mais de dois anos, hoje começa a corrigir, perdendo 0,2% pra 14,41 euros por ação.