Tudo no vermelho. As bolsas europeias fecharam as negociações desta semana em queda e estarão fechadas na sexta-feira Santa e na segunda-feira de Páscoa, como é de resto hábito. A semana ficou marcada pelos atentados em Bruxelas e, por outro lado, pela indefinição que paira sobre o setor bancário, no que a Portugal diz respeito.

A banca foi precisamente o setor mais penalizado na sessão desta quinta-feira, com o BCP a desvalorizar 3,604% para 0,0428 euros, com as notícias sobre o reforço dos angolanos no capital do banco. E também numa altura em que estará a ser negociada a venda do ActivoBank aos ingleses do fundo Cabot Square.

Quanto ao BPI, tudo na mesma: ainda não há acordo entre a Santoro de Isabel dos Santos e o CaixaBank. As ações desvalorizaram hoje 0,69% para 1,2910 euros.

Nas telecomunicações, nota para a Pharol, no dia em que a Oi divulgou um prejuízo de 1,29 mil milhões de euros relativo a 2015. Ora, a Pharol é a maior accionista da Oi, tendo-se mostrado entretanto satisfeita com a performance operacional da operadora brasileira apesar deste resultado. Certo é que as ações derraparam 3,5%, custando agora 0,1360 euros cada.

Entre outras cotadas, a Sonae Capital conheceu uma queda de 2,1% para 0,60 euros e a EDP Renováveis perdeu 2% para 6,7280 euros.