Numa Europa indefinida, Lisboa foi das primeiras praças  a passar para terreno positivo, depois de uma abertura em queda na sessão em bolsa desta quinta-feira. E o principal contributo para o PSI20 (que valoriza 1,37%)  é dado pelo BCP, que dispara 5% a esta hora para 0,0336 euros. Já foram negociadas mais de 137 milhões de ações do banco liderado por Nuno Amado.

Desde o início do mês, o BCP perdeu 14% do seu valor em bolsa, com os investidores a percepcionarem que o seu rácio capital poderia ser afetado, com a entrada da instituição na corrida ao Novo Banco, caso lhe fosse permitido fazê-lo. 

Hoje, a recuperação técnica acontece depois de sete sessões consecutivas de quedas e de cada ação se ter aproximado dos valores mínimos registados este ano. 

Há também outros títulos a puxar por Lisboa, sendo que ainda na banca o BPI também ajuda, valorizando 1,09% para 1,113 euros, exatamente o preço oferecido pelo CaixaBank na OPA que anunciou.

A segunda maior valorização do índice cabe, no entanto, à Sonae Capital, com as ações a subirem 2,95% para 0,628 euros. Depois, vem a Mota Engil (+1,8% para 1,809 euros) e a NOS (+1,77% para 6,437 euros) e a Sonae (+1,5% para 0,628 euros), que apresenta resultados hoje depois do fecho do mercado. Segundo os analistas consultados pela Reuters, o lucro deverá ter subido mais de 60% no primeiro trimestre. 

Os CTT também valorizam 0,54% para 6,33 euros. A empresa apresentou resultados ontem, depois do fecho do mercado. O lucro caiu 7,3% para quase 21 milhões de euros nos primeiros três meses do ano, sobretudo por causa do investimento no Banco CTT, que abriu ao público em março, mas mesmo assim são melhores números do que aqueles que foram estimados pelos analistas. Daí as ações estarem com sentido positivo.