O PSI-20, índice de referência nacional, fechou em leve alta, sustentado, nomeadamente, nos ganhos da família EDP, face a uma Europa indefinida, com os investidores a optarem por não tomarem posições antes de se saber se a Reserva Federal vai optar por subir taxas no final da reunião de hoje. "Os investidores estão num modo 'wait & see'", referiu Art Hogan, estrategista-chefe de mercados na Wunderlich Securities, em Nova Iorque, citado pela Reuters.

A Fed deverá dar a conhecer a sua decisão sobre política monetária ainda hoje. Segundo a mais recente poll da Reuters, a maioria dos economistas estima agora que a Fed não mexa nas taxas, mantendo-as nos atuais mínimos históricos entre 0-0,25%.

As bolsas europeias encerraram indefinidas, oscilando entre uma queda de 0,68% em Londres e uma subida de 1,3% em Madrid. Os índices norte-americanos estão praticamente 'parados', a aguardar a decisão do Fed, com o Dow Jones a subir 0,04% e o Nasdaq a ganhar 0,2%.

O euro aprecia-se 0,2% face à moeda norte-americana, para 1,1313 dólares e, no mercado petrolífero, o cenário é indefinido, estando o barril de Brent a cair 0,6% para 49,42 dólares, em Londres, enquanto o de Crude Nymex sobe 0,4% para 47,36 dólares em Nova Iorque.

FAMÍLIA EDP SUPORTA LISBOA

O índice nacional PSI-20 fechou a ganhar 0,21%, suportado nas valorizações da família EDP, mas também da Pharol, banca e do operador postal, CTT.

A EDP subiu 1,24%, acompanhando os ganhos das 'utilities' europeias, nomeadamente das alemãs E.ON e RWE, com valorizações entre 8 e 9%. A subsidiária EDP Renováveis ganhou 1,19%.

Suporte adicional das ações dos CTT, que avançaram 1,24%, enquanto na banca, o BPI ganhou 1,11% e o Millennium BCP somou 0,6%.

Nota ainda para a valorização de 2,6% da construtora líder em Portugal, Mota-Engil. Segundo o BPI, que cita o 'chairman' da empresa, a performance bolsista da subsidiária Mota-Engil África tem sido insatisfatória e a casa-mãe pode tirá-la de Bolsa, já que a forte desvalorização das ações da subsidiária está a afetar a perceção de mercado quanto ao valor justo da Mota-Engil.

A Pharol liderou as valorizações no índice, ao subir 3,89%, beneficiando do disparo de 14% da participada brasileira Oi.