Destaque negativo na Bolsa de Lisboa para mais uma forte queda das ações do Banif, quer perderam mais 11,76%. Em duas sessões, o Banif perdeu cerca de 17%. "As quedas acontecem depois das declarações de Maria Luís Albuquerque, que reavivou receios de incumprimentos na reestruturação do banco, iniciada em 2013", explicou Pedro Ricardo Santos, da XTB Portugal. Adiantou que "a confirmarem-se irregularidades, os investidores acreditam num adiamento da saída do Estado do capital da instituição, convicção que tem levado muitos investidores a largarem as suas posições".

Recorde-se que Maria Luís Albuquerque desmentiu durante o fim-de-semana as declarações de António Costa que, na TVI, tinha sugerido que a coligação PSD/CDS estava a esconder ao país a verdadeira situação. O próprio PSD veio mais tarde especificar que a ministra das Finanças não transmitiu ao PS informações "passíveis de gerar alarme público" sobre a TAP ou o Banif.

As valorizações do Millennium BCP e da Jerónimo Martins levaram o índice PSI-20 a fechar em alta, em contraciclo com os pares europeus, mas com as atenções dos investidores voltadas para a situação de impasse político em Portugal.

A Bolsa de Lisboa fechou a subir 0,39%, com nove títulos em alta, sete quedas e dois estáveis.

Os títulos do BCP lideraram as subidas percentuais no índice, ao ganharem 3,37%, contrariando os pares domésticos. "O BCP está a ser beneficiado pelos dados avançados pelo Banco Central Europeu que dão conta de um incremento no valor de crédito concedido pelas instituições bancárias, fruto do facilitismo disponibilizado pela instituição europeia", disse Pedro Ricardo Santos.

Suporte adicional da retalhista Jerónimo Martins, que subiu 1,06%, dos CTT, que ganharam 0,99% e da EDP, que somou 0,38%.

Pela negativa, e para além do Banif, nota para a queda de 0,85% do BPI e de 1,28% da Galp Energia.

Na Europa, as principais bolsas fecharam com quedas entre 0,11% em Londres e 1,05% em Madrid. No mercado petrolífero, o preço do barril de Brent cai 0,3% em Londres, para 48,47 dólares, com os investidores a cobrirem posições curtas após a cotação desta matéria-prima ter tombado 4% ontem. O euro aprecia-se 0,22% face à moeda norte-americana, em 1,1349 dólares.