O economista e deputado social-democrata Miguel Frasquilho reclamou esta terça-feira mais ajuda da troika a Portugal e declarou ter mais confiança nos parceiros europeus do que no Fundo Monetário Internacional (FMI).

Miguel Frasquilho, que participa hoje na conferência anual da Ordem dos Economistas sobre o Orçamento do Estado para 2014, afirmou que a Europa quer tanto como Portugal que o programa de ajustamento resulte, porque «não se pode dar ao luxo de ter uma segunda Grécia» e a troika (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e FMI) «está interessada em ter um caso de sucesso».

«Tenho a convicção de que seremos ajudados o mais possível nos próximos meses pela troika», disse o economista, salientando que confia mais nos parceiros europeus do que no FMI, que mostra duplicidade institucional e se comporta «no terreno» de maneira diferente, do que deixam a entender as posições defendidas pela sua diretora, Christine Lagarde.

O deputado do PSD frisou que Portugal «está a fazer tudo para que não aconteça um segundo resgate» e que está em condições de ter um programa cautelar no próximo ano, desde que obtenha uma extensão adicional dos prazos de pagamento e um período de carência de juros.