Os trabalhadores e reformados do setor ferroviário decidiram realizar no dia 04 de fevereiro uma jornada nacional de luta, com greves, manifestações e concentrações, contra a perda de direitos e regalias.

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário afirma que a decisão foi tomada esta terça-feira, numa reunião de trabalhadores e reformados, e consta na resolução aprovada.

De acordo com a resolução, os trabalhadores decidiram «marcar o dia 04 de fevereiro como um dia de protesto em todo o setor, na forma de greves, manifestações e concentrações», para apelar à «reposição integral do Acordo de Empresa e dos cortes salariais», à «reposição do direito ao transporte» e para contestar as privatizações.

Na resolução, os trabalhadores afirmam que «vão ser confrontados, novamente, a partir do mês de janeiro, com novos e brutais cortes nas suas remunerações ¿ entre os 2,5% e os 12% para os trabalhadores no ativo ¿ que, conjugados com a redução das deduções em sede de IRS e com a sobretaxa de 3,5%, significam uma diminuição do rendimento disponível e uma nova diminuição do poder de compra».

Os trabalhadores ferroviários dizem ainda que as medidas do Orçamento do Estado «que impõem uma redução do número de trabalhadores e dos custos operacionais» terão ¿«impacto na qualidade, quantidade e segurança do transporte ferroviário», pondo em causa a sua componente social.