Os assessores financeiros da Parparticipadas estão a analisar as oito propostas para a compra do Banco Efisa e a decisão final vai ser tomada no início da próxima semana, avançou esta quinta-feira à agência Lusa o presidente, Francisco Nogueira Leite.

"Este processo encontra-se ainda em análise pelos assessores financeiros pelo que só no início da próxima semana haverá uma decisão final", afirmou o líder da Parparticipadas, entidade que ficou com o Banco Efisa após a nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN), em resposta às questões colocadas sobre a operação.

Na semana passada, a Parparticipadas revelou em comunicado que foram recebidas "três propostas vinculativas" e cinco não vinculativas para a venda da instituição financeira.

Os interessados na compra do Banco Efisa tinham até 3 de julho a possibilidade de entregar as suas propostas à Parparticipadas.

O comunicado então divulgado refere que, "no âmbito do processo de alienação do Banco Efisa, […] foram rececionadas três propostas vinculativas e cinco propostas não vinculativas" e que a evolução deste processo "prosseguirá com a análise das propostas vinculativas por parte dos assessores financeiros e jurídicos".


A Parparticipadas conclui afirmando que "oportunamente será indicada a eventual proposta selecionada".

Este é já o terceiro concurso de venda do Efisa, que está à venda desde 2010, depois de os dois primeiros processos terem sido fechados sem sucesso, recorda a Lusa. 

Quando o BPN foi nacionalizado, em novembro de 2008, o Estado ficou com outros ativos do grupo (sobretudo problemáticos) que foram integrados em três empresas públicas, as chamadas 'sociedades-veículo'.

A Parvalorem gere o crédito malparado, a Parups gere património imobiliário e Parparticipadas ficou responsável pela gestão de várias participações sociais que o grupo BPN tinha, sendo responsável pela sua alienação ou eventual liquidação.