O Governo anunciou que pretende alargar o acesso ao Fundo de Garantia Salarial aos trabalhadores de empresas em Processo Especial de Revitalização ou ex-trabalhadores de empresas com processos de recuperação aprovados.

De acordo com o secretário de Estado da Segurança Social, Agostinho Branquinho, que falava aos jornalistas no final de uma reunião com os parceiros sociais, a intenção do Executivo é a de alargar o âmbito do FGS às empresas em processo PER através da criação de uma norma transitória que permita que trabalhadores que no último ano viram indeferidos os seus processos possam vir a aceder ao fundo.

«Portanto não vão precisar de fazer mais nada, os nossos serviços reanalisarão todos os processos», esclareceu o governante, acrescentando que durante a tarde de hoje serão enviadas aos parceiros sociais as propostas do Governo relativamente a esta matéria para serem discutidas na quarta-feira numa reunião técnica no Ministério da Segurança Social.

Segundo Agostinho Branquinho, será ainda criada uma «segunda norma» destinada a trabalhadores que cessaram o vínculo a empresas em recuperação ou insolvência para que estes possam vir também a ter acesso ao FGS.

«Estamos a falar de um universo de 6.700 trabalhadores», disse Agostinho Branquinho.

À saída da reunião, o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos considerou, em relação a este ponto, que o Governo está sensível às reivindicações dos trabalhadores e que «haverá caminho» para chegar a um consenso, mas disse que aguardará pela reunião de quarta-feira, uma vez que este assunto foi objeto de discussão «durante apenas 15 minutos».