O ministro da Economia admite avançar com um modelo de privatização da TAP em que o Estado português não saia totalmente da empresa. Em entrevista ao Jornal de Negócios e Rádio Renascença, Pires de Lima sublinha que estão a ser equacionadas todas as alternativas, «sem sentimento de urgência».

«Estamos a estudar todos os modelos. A TAP é uma empresa que precisa de capital e que não tem tradição, nos últimos anos, de distribuir dividendos, portanto esse é um elemento importante. Precisamos de encontrar uma solução, mas sem qualquer urgência ou pressão de urgência», sublinhou o responsável.

O dossiê está a ser trabalhado pelo assessores financeiros, que estão a estudar todas as possibilidades já com a atualização dos dados relativos aos resultados da TAP em 2013, que ainda não são totalmente conhecidos.