A semana será marcada pelo anúncio das decisões do Banco Central Europeu (BCE) sobre política monetária, com os analistas contactados pela Bloomberg a estimarem um corte da taxa de juro diretora para os 0,1%.

«Espera-se uma semana marcante para os mercados de ações, o evento de maior relevo ocorre na quinta-feira, quando o BCE anunciar as suas decisões de política monetária», refere o analista de mercados Millennium investment banking, Ramiro Loureiro.

Dos 30 analistas que contribuem para o consenso da Bloomberg, 17 apontam para um corte da taxa de juro diretora para os 0,1%, enquanto 7 estimam uma descida para os 0,15%, na reunião de quinta-feira.

«Uma descida dos juros pode sustentar a subida dos mercados de ações, pois obriga os investidores a procurar ativos de maior risco em busca de retorno superior ao que pode ter em depósitos tradicionais», refere o analista, que considera ser «natural que o mercado possa querer que o BCE vá ainda mais além e anuncie o uso de ferramentas não convencionais para estimular a economia e também a inflação da zona euro, que se afasta para baixo da meta dos 2% traçada para a evolução do IPC a longo prazo».

Na segunda-feira, os principais indicadores a serem conhecidos referem-se à atividade na indústria da zona euro e dos Estados Unidos, numa semana onde também serão divulgados dados sobre os serviços, relativos a maio.

Na terça-feira haverá dados sobre a inflação em maio e a taxa de desemprego em abril, ambas na zona euro.

O valor final do PMI Serviços nos países da moeda única será divulgado na quarta-feira, aguardando-se que indique uma aceleração do ritmo de crescimento da atividade do setor no último mês.

Além disso, será divulgada a estimativa preliminar do produto interno bruto (PIB) da zona euro relativa ao primeiro trimestre.

Entre os vários dados que serão divulgados durante a semana, destacam-se ainda as encomendas às fábricas na Alemanha e os pedidos de subsídio de desemprego nos Estados Unidos, ambos na quinta-feira.

«Para sexta-feira, antecipa-se que a produção industrial da Alemanha tenha crescido 2,7% em termos homólogos em abril, sendo que as atenções estarão mais centradas na balança comercial germânica, para se perceber qual o ritmo das suas exportações e importações (esperado aumento mensal de 1% e 0,3%, respetivamente)», refere o analista.