O Governo vai rever em alta o cenário macroeconómico para este ano. A economia vai crescer 1,2%, mais do que a previsão inicial, que era de 0,8%, avança a TSF.

Já a taxa de desemprego vai ficar nos 15,7%, menos 2 pontos percentuais que a estimativa anterior.

Portugal entra em maio «numa nova fase» da sua história

Este novo cenário económico deverá ser anunciado no final da 11ª avaliação, que acaba de ser concluída. A conferência de imprensa está marcada para as 18:30.

A conferência de imprensa, que acontece na Presidência do Conselho de Ministros, contará com a presença do vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, da ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, e do secretário de Estado Carlos Moedas.

Os membros da troika chegaram a Lisboa na semana passada para realizarem a 11.ª avaliação regular ao Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF), a penúltima do atual resgate financeiro do país, iniciado em 2011.

Portugal termina o programa de assistência financeira da troika em maio, mas a saída oficial só vai acontecer a 30 de junho. A exigência terá mesmo vindo do FMI, que não tem tempo para reunir o conselho de administração e fechar a última avaliação no mês de maio.

No documento a que a TSF teve acesso, o governo pede à troika que o PAEF (Programa de Ajustamento Económico e Financeiro), seja extendido até 30 de Junho, cerca de seis semanas para lá da data oficial que tem marcado o discurso político do Governo e cinco semanas depois das eleições Europeias.

Fonte do executivo garante que este pedido não altera os planos do executivo, e que surge apenas por exigência do FMI, que não terá tempo de reunir o conselho de administração, e dar por concluída a última avaliação, até 17 de Maio.

A mesma fonte sublinha que nessa data, ou mesmo antes, o Governo espera da Comissão Europeia uma comunicação oficial, confirmando a nota positiva na 12ª avaliação, e o fim do programa de ajustamento.