O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, afirmou hoje que a Europa não irá virar as costas à Grécia e que a rotação da presidência da União Europeia (UE) oferece a Atenas uma grande oportunidade.

Numa referência à entrevista dada ao Bild e que será publicada na terça-feira, Schäuble afirmou: «A presidência [da União Europeia] vai mostrar ao povo grego que a Europa é o seu futuro».

A responsabilidade de assumir a presidência da UE «gera identidade, autoconfiança, orgulho. A presidência grega da UE é uma grande oportunidade para o país e para a Europa», acrescentou o ministro das Finanças alemão, na entrevista que será divulgada no último dia do ano.

Schäuble rejeitou a ideia de que Atenas poderá utilizar o seu mandato na presidência da UE para aliviar a pressão sobre a ajuda externa e as reformas em curso no país.

A Grécia está sob ajuda externa da troika, composta pela Comissão Europeia, Banco Central Europeu (BCE) e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

Sobre a possibilidade de Atenas vir a precisar de mais ajuda financeira, o ministro afirmou: «Decidiremos em meados do ano se teremos de ajudar mais a Grécia. Se o país mantiver o seu curso de reformas, se preencher as condições necessárias, não iremos virar as costas».

A atual ajuda financeira está prevista terminar em julho de 2014. O ministro das Finanças grego, Yannis Stournaras, afirmou no domingo que o país não irá precisar de nova ajuda.