A greve dos estivadores provoca um prejuízo diário de 300 mil euros. Os operadores portuários já entregaram pedidos de indemnização no tribunal, mas ainda acreditam que é possível chegar a acordo para travar os protestos.

Entretanto, foram decretados serviços mínimos, que poderão atenuar este valor nos próximos dias, uma vez que o sindicato dos estivadores decidiu prolongar o protesto até 27 de maio.

A greve começou a 20 de abril, e ao fim de 13 dias o prejuízo ascende a 4 milhões de euros. 

Os serviços mínimos foram decretados para a movimentação de cargas destinadas às regiões autónomas dos Açores e da Madeira e para as operações de carga ou descarga de mercadorias deterioráveis e de matérias-primas para alimentação.

A greve tem sido prolongada através de sucessivos pré-avisos devido à falta de entendimento entre estivadores e operadores portuários sobre o novo contrato coletivo de trabalho.