Podia pensar-se o contrário, já que o Imposto sobre os Combustíveis desceu um cêntimo na semana passada, mas afinal abastecer o depósito volta a ficar mais caro já a partir desta segunda-feira.

É que o preço final que os consumidores pagam pelos combustíveis tem em linha de conta não só o ISP, mas também a evolução dos preços dos combustíveis nos mercados internacionais.

O Brent negociado em Londres é aquele que serve de referência para Portugal e na última semana chegou a disparar para o patamar dos 48 dólares, quando na semana anterior cotava nos 45 dólares.

Agora, o mercado reage e o aumento da gasolina e do gasóleo deverá rondar um cêntimo por litro, depois de na semana passada ter caído até dois cêntimos. Ou seja, esta subida anula a descida do ISP.

Na última semana, tanto o gasóleo e a gasolina aliviaram de preço, e com a revisão do imposto – que subiu seis cêntimos em fevereiro. A expectativa era de novo, embora ligeiro, alívio, mas não acontecerá. 

Governo e transportadoras reúnem-se

O Governo e as associações de transportadores rodoviários de mercadorias vão sentar-se à mesa esta segunda-feira, precisamente na sequência da revisão trimestral do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos e Energéticos.

A reunião, que começa pelas 17:30, será entre o ministro Adjunto, Eduardo Cabrita, a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) e a Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP). Tem um ponto único, mas poderá não ser pacífica.

Da agenda do encontro consta a análise das recentes medidas anunciadas pelo executivo relativas ao desconto no gasóleo para transportadoras, a aplicar em três zonas da fronteira com Espanha, cujo arranque está previsto para o mês de julho, mas a redução do ISP deverá ser colocada pelas associações.

A portaria que atualiza a taxa do ISP, reduzindo o valor em um cêntimo, foi publicada ao final da noite de quinta-feira no Diário da República. Em resultado da portaria, aplicável à gasolina com teor de chumbo igual ou inferior a 0,013 gramas por litro e ao gasóleo, é determinada a redução em um cêntimo do ISP.

Esta decisão do executivo levou a ANTRAM a dizer, em declarações à agência Lusa, que “não concorda com o mecanismo”, embora a redução em um cêntimo corresponda “ao que já tinha anunciado”.

“Agora, não estamos de acordo com o aumento que precedeu esta redução e que tem na base das reivindicações da associação e das recentes reuniões com o Governo”