De norte a sul do país, o pão vai mesmo ficar mais caro em 2018.

A confirmação foi dada à TVI24 pelo presidente da assembleia-geral da Associação de Industrias de Panificação do Norte, César Ferreira.

O responsável fala de cerca de “um cêntimo a mais em cada carcaça” no norte de Portugal continental. É um aumento de cerca de 10% no caso do norte do país.

Recusou, no entanto, comentar a possibilidade desta subida chegar a 20% no sul do país, mas recordou que “há uma diferença muito grande entre o preço por unidade no sul (cerca de 22 a 23 cêntimos) e no norte (entre 10 e 12 cêntimos).”

César Ferreira disse ainda que os profissionais do setor têm a noção que “o pão é um alimento social”, mas estão "no limiar da sobrevivência, em termos da indústria. Ninguém gosta de aumentar os preços, mas neste caso não temos soluções.”

Segundo o industrial, no último ano, encerraram cerca de 1.700 padarias. “Um sinal da crise no sector e, de o facto de, durante os últimos 7 anos, não termos conseguimos repercutir o aumento dos custos no preço final.” Custos relacionados com o aumento do salário mínimo nacional, da energia, combustíveis e matéria-prima.

De qualquer modo, o aumento exato em tudo dependerá de cada padaria, já que cada profissional conhece os custos que tem e o preço do pão não é tabelado, acrescentou presidente da assembleia-geral da Associação de Industrias de Panificação do Norte.