O Sindicato de Hotelaria do Centro está esta quinta-feira a fazer um levantamento das situações de precariedade e problemas laborais do setor nas zonas balneares de Peniche e Nazaré onde estima que, no verão, o número de trabalhadores triplique.

“Estamos a fazer o levantamento dos problemas que existem, sobretudo a nível de restauração, numa altura em que, nesta época sazonal, muitos mais trabalhadores afluem ao setor”, disse à agência Lusa António Baião, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Centro (STIHTRSC).


Para isso, o sindicato efetuou esta manhã uma ação de sensibilização em Peniche, distribuindo panfletos informativos e auscultando os trabalhadores para “perceber a situação em termos de quadros de pessoal e de horários de trabalho” e verificar “se existem focos de precariedade que se possa denunciar à Autoridade Para as Condições de Trabalho (ACT)”, explicou o mesmo responsável.

Uma preocupação que aumenta, nas zonas balneares, “nos períodos de época alta”, já que a convicção do sindicato é de que, “fora das épocas de veraneio, os quadros são muito reduzidos e, no verão, quase triplica o número de trabalhadores”.

Pela contas de António Baião, a situação traduz-se num aumento das “cerca de sete mil pessoas a trabalhar na hotelaria e restauração” durante o resto do ano, para, “seguramente, 20 mil pessoas a prestar serviço neste setor na zona litoral entre Peniche e Nazaré”.

Daí que a ação de sensibilização vá ser replicada durante a tarde na Nazaré onde, além de alertar para a incumprimento dos direitos laborais no período de verão, o sindicato pretende alertar para a existência “do contrato coletivo de trabalho e para o facto de estarem há cinco anos sem aumento de salários”.

A sensibilização em Peniche e Nazaré é a quarta realizada durantes os meses de julho e agosto, depois de idênticas ações terem sido efetuadas em Aveiro, na Figueira da Foz e em Fátima, tendo esta última motivado um pedido de audiência do sindicato ao bispo de Leiria-Fátima, para “solicitar uma posição que conduza a um maior respeito do patronato pelos trabalhadores”.

O STIHTRSC abrange os distritos da Guarda, Leiria, Castelo Branco, Viseu, Aveiro e Coimbra.