O sucesso de Portugal junto dos mercados aumento o risco de o país querer sair do programa de assistência da troika sem a ajuda de um programa cautelar, alerta a revista The Economist, no seu mais recente relatório sobre Portugal, que vai estar em destaque na conferência que começa esta terça-feira, em Lisboa.

«Esperamos que Portugal peça, e lhe seja concedido, continuo apoio financeiro quando o programa de resgate terminar, sob a forma de um programa cautelar, com uma ligeira condicionalidade associada», escreve a revista no seu relatório de fevereiro, citado pelo Diário Económico.

Caso Portugal opte por uma saída limpa, haverá consequências, alerta o Economist: «Tendo em conta as vulnerabilidades e incertezas que persistem, esta atuação poderá alimentar as dúvidas dos investidores face à capacidade de Portugal de pagar as suas dívidas».

A Economist prevê ainda que Portugal falhe as metas do défice para este ano: «Apesar da melhoria de confiança e dos resultados orçamentais, o Governo vai ter dificuldades em cumprir o objetivo do défice para 2014, fixado em 4% do PIB».