Os riscos de saída limpa com os atuais níveis de rating está a gerar desconforto entre os credores oficiais nacionais, apurou o Jornal de Negócios. Em causa está o facto de em caso de saída limpa o BCE passar a exigir que pelo menos uma agência de rating classifique a dívida pública acima de «lixo».

Essa será a condição para o banco central aceitar a dívida como garantia nos empréstimos que concede à banca. Hoje apenas a pequena agência de rating DBRS coloca Portugal acima da linha de «lixo», e só por um degrau.

Este é um argumento que está a pesar a favor do programa cautelar, que daria mais garantias de uma saída sem sobressaltos do programa de ajustamento.