O secretário de Estado do Turismo afirma que os resultados da atividade turística de fevereiro hoje divulgados pelo INE «demonstram que este ano começou melhor do que o ano passado», sendo que 2013 «já foi um ano de recordes».

As dormidas e os hóspedes na hotelaria continuaram a aumentar em fevereiro, progredindo 6,5% e 7,2%, respetivamente, face ao mesmo mês de 2013, mas abrandaram relativamente a janeiro em parte devido ao efeito do Carnaval, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Segundo o INE, em fevereiro os estabelecimentos hoteleiros alojaram 775,9 mil hóspedes, que originaram cerca de dois milhões de dormidas.

O crescimento registado foi inferior ao observado em janeiro (10,9% de hóspedes e 10,1% de dormidas), situação para a qual, de acordo com o instituto, «contribuiu o Carnaval», que em 2013 foi festejado em fevereiro e este ano em março.

Numa declaração escrita enviada à agência Lusa, o secretário de Estado do Turismo, Adolfo Mesquita Nunes, reconhece que «estes números ainda não são suficientes para que muitas das empresas do setor do turismo recuperem os investimentos feitos no passado ou da difícil situação que atravessaram nos últimos anos», mas considera que «são um bom indicador e trazem perspetivas positivas».

«Precisamos de continuar a crescer. É por isso positivo que o RevPar (rendimento por quarto disponível) continue a crescer, e a crescer acima do crescimento da taxa de ocupação», sustenta.

Numa nota enviada à Lusa, o Ministério da Economia destaca a evolução homóloga dos dados do turismo, referindo que, «quer comparando o mês de fevereiro, quer comparando o acumulado janeiro/fevereiro, se assiste a um crescimento sem qualquer desaceleração face a 2013».

«O ano passado (um ano recordes) começou de forma menos positiva do que o ano de 2014 está a começar», destaca o ministério de António Pires de Lima, recordando que em 2013, «por esta altura, o turismo em Portugal tinha crescido 0,8%» e, «este ano, cresce 6,5%», ainda sem o efeito do Carnaval, que em 2014 foi em março.

Adicionalmente, sustenta, se no «ano passado, por esta altura, o turismo interno estava em franca queda, este ano, o turismo interno já cresce substancialmente, estando o turismo espanhol em franco crescimento também».

Quanto ao RevPar, em fevereiro de 2013 «estava a cair», mas «este ano já está a crescer, e a crescer claramente acima da subida da taxa de ocupação, o que indicia que o aumento de dormidas não é feito à custa de baixa de preços».