O Produto Interno Bruto (PIB) de Portugal vai aumentar entre 1% a 2% devido à mudança nas regras do Sistema Europeu de Contas que vai entrar em vigor a 01 de setembro deste ano, anunciou em Bruxelas o Eurostat.

Segundo o diretor de contas nacionais do gabinete de estatísticas das comunidades europeias, François Laquiller, as alterações ao Sistema Europeu de Contas para a sua versão de 2010 (ESA10) prevê, entre outras alterações, a inclusão como investimento nas contas nacionais da despesa com investigação e desenvolvimento ou a despesa em sistemas de armamento.

A nova metodologia inclui ainda uma análise mais detalhada dos sistemas de pensões dos Estados-membros, da contribuição dos serviços de seguros para o PIB e um maior controlo das alterações macroeconómicas para os 15 anos seguintes.

«Esta nova metodologia não é uma revolução, é uma adaptação necessária no tratamento da informação», afirmou François Laquiller, que defendeu que o novo sistema irá proporcionar «mais e melhor informação» e um «aumento do detalhe» dos dados.

O francês revelou ainda que a partir de 01 de outubro de 2014 todos os países da União Europeia serão obrigados a publicar a informação no novo formato.

O Eurostat justifica esta alteração na metodologia contabilística, que substitui o ESA95, com as alterações verificadas na economia global nos últimos vinte anos, a crescente importância de ativos imensuráveis, de produtos e serviços de propriedade intelectual e a globalização dos sistemas económicos.

A nova metodologia do gabinete oficial de estatísticas da União Europeia irá ainda provocar um aumento médio do PIB nos países europeus de 2,4%, na sua maioria relacionado com a capitalização da despesa em investigação e desenvolvimento.

Assim, segundo os dados provisórios divulgados hoje, Portugal está entre os nove países europeus que registarão um aumento de 1 a 2% do PIB, tal como a República Checa, a Estónia, a Irlanda, a Itália, a Espanha, a Eslováquia, a Eslovénia e o Luxemburgo.

Os dois países que deverão ter maiores aumentos do seu PIB são a Suécia e a Finlândia, havendo ainda cinco países sem estimativas disponíveis (Chipre, Croácia, Bulgária, Malta e Grécia).