A Fitch considera que existe em Portugal um risco acrescido de derrapagem orçamental em 2015. Segundo uma análise da agência de notação, citada pela Reuters, o Orçamento do Estado assenta num ajustamento cíclico, ao invés de um ajustamento estrutural, para alcançar a redução do défice, «o que sobe o risco de derrapagem orçamental».

A agência nota que o Governo reviu em alta a meta do défice para 2,7% em 2015, utilizando uma projeção inalterada de um crescimento económico de 1,5%, e enfatiza as declarações da ministra das Finanças, que na apresentação do OE 2015 sublinhou que o défice vai ficar abaixo dos 3%, em linha com o procedimento por défices excessivos.

«Esta nova meta está mais perto da nossa estimativa de 3% de défice, o que reflete a nossa perspetiva mais conservadora para o crescimento da economia, de 1,2%. Ainda assim, representa uma queda significativa da estimativa do Governo para 2014, de um défice de 4,8%», sublinha a Fitch.

A agência sublinha que as medidas de consolidação para o ano que vem representam 0,7% do PIB, e uma parte do ajustamento poderá advir do aumento das receitas, embora avise que este crescimento poderá ficar abaixo das expetativas.

Um dos riscos, refere a Fitch, é o do abrandamento económico. Para a agência, o Governo foi otimista em antecipar um crescimento do PIB de 2,5% em 2014 (a previsão da agência é de 1.9%). Também o facto de haver um período alargado de deflação, nota a Fitch, pode ameaçar o crescimento.