A operadora brasileira Oi confirmou esta sexta-feira ter sido contactada por interessados, entre os quais a Altice, na aquisição dos seus ativos da Portugal Telecom (PT), mas ressalvou que nenhuma proposta ou acordo foi assinado até o momento.

Esta sexta-feira ao início da tarde, o jornal «Folha de São Paulo», avançou que a Portugal Telecom vai ser vendida na próxima semana, por um valor que deverá ascender aos 7,2 mil milhões de euros. O mesmo jornal adiantou que há cinco interessados, entre eles a Altice, e três fundos de investimento.

«No que respeita aos seus ativos em Portugal, a companhia reitera que foi informada que o BTG Pactual (banco contratado para atuar como intermediário) foi contactado por diversos interessados, entre os quais a Altice», informa a empresa, em comunicado enviado ao mercado.

Ainda segundo o mesmo, os interessados terão consultado o banco a pedir informações «selecionadas» sobre os negócios da PT Portugal SGPS S.A, «principalmente sobre as suas operações em Portugal».

A Oi acrescenta, no entanto, que nenhuma proposta oficial foi recebida até ao momento e que ainda não tomou uma decisão final sobre se alienará a suas atividades ou os seus ativos em Portugal.

A Oi e a Portugal Telecom anunciaram a fusão dos seus ativos em outubro do ano passado. Este ano, no entanto, o acordo foi abalado após as notícias sobre a operação de compra de dívida da RioForte, holding do Grupo Espírito Santo (GES), pela Portugal Telecom.

A polémica em torno da operação levou, no início deste mês, à renúncia de Zeinal Bava, que ocupava a presidência da Oi desde junho de 2013.

O comunicado da Oi surge hoje em resposta à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), regulador brasileiro, após o jornal brasileiro Estado de São Paulo ter revelado que a empresa ainda pretende adquirir a operadora TIM Participações S.A, numa transação que envolveria ainda outras operadoras brasileiras.

Sobre esta possibilidade, a Oi confirmou o interesse em adquirir a participação da Telecom Italia na TIM, bem como ter mantido «conversas» com a América Móvil, que controla a operadora brasileira Claro.

A companhia voltou a sublinhar, no entanto, que nenhum acordo foi fechado até ao momento.