«Não sei se há corrupção neste caso («Face Oculta»), só os tribunais o dirão. O que sei é que este é mais um caso que não vai conduzir a nada». As palavras são de Medina Carreira, ex-ministro das Finanças, que exemplificou com os casos «dos submarinos ou do furacão» para sublinhar a sua descrença no rumo da Justiça.

«Os órgãos de comunicação social estão a fazer um grande alarido disto, mas este caso não vai levar a nada. Já viu algum caso que acabasse com alguém preso?», reiterou o ex-ministro das Finanças aos jornalistas à margem da apresentação do seu livro «Portugal: que futuro», em Lisboa.

Para Medina Carreira, o que pode acontecer é que «vai alguém a julgamento, mas depois não acontece nada».

O ex-governante é crítico feroz do sistema judicial português, que classifica como «demasiado moroso» e que «afasta todos os interessados em investir no país».

Por isso, este fiscalista diz que o caso «Face Oculta» é mais um factor prejudicial à economia, uma vez que «vicia todas as actividades económicas e distorce a concorrência».