A Portfuel, do empresário Sousa Cintra, tem a partir de hoje a concessão para a exploração de petróleo nas áreas de Aljezur e Tavira, onde será feita pesquisa em terra com métodos tradicionais.

O presidente da Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis (ENMC), Paulo Carmona, afirmou hoje à Lusa que os contratos de concessão, pesquisa, desenvolvimento e produção de petróleo nas áreas designadas por Aljezur e Tavira preveem apenas pesquisa em terra, com recursos a métodos tradicionais, por um período de oito anos.

Isto é, se houver exploração ou sondagem com métodos não convencionais, por exemplo ‘fracking’ (fratura hidráulica) /‘shale gas’ (gás de xisto), terá de ser feito um estudo ambiental, acrescentou o responsável do organismo público que veio substituir a EGREP - Entidade Gestora de Reservas Estratégicas de Produtos Petrolíferos.

Segundo Paulo Carmona, “a Portfuel [Petróleos e Gás de Portugal] demonstrou interesse em fazer reconhecimento do terreno, porque acredita que há possibilidade de encontrar petróleo”, referindo que estes serão os primeiros estudos de pesquisa de petróleo nas duas localizações.


Desde 1981 foram feitos em Portugal 27 furos, sempre iniciativa de privados, que no seu conjunto investiram cerca de 1.000 milhões de euros na tentativa de encontrar petróleo, explicou.

Todos os furos foram abandonados “ou porque estavam secos ou porque a quantidade encontrada era insuficiente para justificar o investimento”, avançou o presidente da ENMC, realçando que todo o espólio decorrente dos estudos efetuados fica para o Estado, o que “permite ter um conhecimento profundo sobre o território”.