O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, considerou hoje que o investimento de 30 milhões de euros da Mecachrome em Évora, numa fábrica de componentes metálicos para a aeronáutica, é exemplo da crescente confiança dos investidores em Portugal.

“Eu, que acho que o caminho se faz andando, já ganhei o dia porque este é um investimento importante, gera postos de trabalho, é feito no interior de Portugal, traz tecnologia e fomenta exportações”, realçou.

Segundo Paulo Portas, que discursava no salão nobre da Câmara de Évora, na cerimónia de apresentação oficial do projeto da Mecachrome Aeronáutica, a nova fábrica que vai ser construída na cidade alentejana é sinal de que o país está a trilhar “um caminho com mais confiança e mais investimento”.

“Se as pessoas não tiverem confiança não investem e o investimento é a condição para criar emprego. Porque é o investimento, tanto nacional como estrangeiro, que pode fazer toda a diferença na aceleração do crescimento económico e na recuperação do emprego. E é isso que vai acontecer aqui em Évora”, disse.


O vice-primeiro-ministro, que visitou o Alentejo pela segunda vez em três dias (na terça-feira esteve em Beja e Vidigueira), considerou “importante” que “o país saiba que há muita gente, neste momento, a decidir investir” e “a ponderar se investe em Portugal”.

“E a solicitar o apoio das agências públicas para concretizar os investimentos e, por isso mesmo, acho que o Governo deve dar todo o seu apoio na facilitação desta atração de investimento”, continuou.

A Mecachrome Aeronáutica, empresa portuguesa da multinacional francesa Mecachrome, liderada pelo português Júlio de Sousa, pretende arrancar já em setembro com as obras de construção da fábrica em Évora, estimando que em setembro de 2016 a unidade possa iniciar a produção.

Paulo Portas lembrou que esta é a segunda vez que a empresa investe em Portugal, pois, já tem a funcionar, desde setembro de 2014, uma outra fábrica em Setúbal, igualmente vocacionada para o setor aeronáutico.

“Só acredita [uma] segunda vez quem testou e bem as qualidades que os portugueses têm para produzir e trabalhar” e serem “um exemplo para o mundo do ponto de vista do seu brio profissional”, argumentou.

Também o presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá (CDU) saudou o projeto da Mecachrome, que disse ser “estruturante para a região e para o país”.

Questionada pela Lusa, a Mecachrome revelou que, até final de 2016, ano de início da laboração, prevê criar cerca de 350 postos de trabalho em Évora, estimando ainda que, até final de 2020, esse número ascenda a cerca de 600 trabalhadores.

Com 75 anos de existência, a multinacional francesa tem entre os seus clientes as construtoras aeronáuticas Airbus e a Boeing e conta com 15 fábricas em cinco países (França, Canadá, Tunísia, Marrocos e Portugal), em três setores de atividade: automóvel, energia e aeronáutica.