As receitas de portagem da Estradas de Portugal (EP) aumentaram 6% no primeiro trimestre deste ano face ao período homólogo de 2013, para os 67,4 milhões de euros, com melhorias da cobrança e maior utilização das autoestradas.

Em comunicado, a empresa gestora da rede rodoviária adiantou que o acréscimo de 3,7 milhões de euros nas receitas dos primeiros três meses do ano reflete «o trabalho no incremento da eficiência na cobrança que tem sido desenvolvido pela EP» e um aumento da utilização das autoestradas.

A EP anunciou «um aumento progressivo dos níveis de utilização das autoestradas», resultado da «melhoria gradual da situação económica».

A Via do Infante, autoestrada do Algarve, teve o maior crescimento - de 22% - no volume de receitas no primeiro trimestre, para 4,4 milhões de euros, entre as antigas SCUT (autoestradas sem custos para o utilizador).

Em contrapartida, nas autoestradas subconcessionadas com troços portajados - Transmontana, Pinhal Interior, Baixo Tejo e Litoral Oeste -, cujos pagamentos a cargo da EP tiveram início este ano, a receita de portagem no primeiro trimestre do ano ficou-se pelos 3,3 milhões de euros, dos quais perto de dois milhões foram faturados na Pinhal Interior.

«No último trimestre de 2013 já se verificava um crescimento global do tráfego nas autoestradas, o que demonstra que cada vez mais os condutores, pela maior rapidez e comodidade, optam pela utilização destas vias nas suas deslocações», adianta a empresa liderada por António Ramalho.

A EP destaca que, ao contrário de 2013, os resultados do primeiro trimestre deste ano não incluem o período da Páscoa, época em que a circulação nas estradas aumenta significativamente.

«Esta situação dá ainda maior relevo aos resultados obtidos que, mesmo ainda sem este fator de aumento da utilização, mostram uma subida significativa», acrescenta.

As melhorias na cobrança relacionam-se com a introdução de sistemas de pagamento de portagem destinados a condutores de veículos de matrícula estrangeira e ao desenvolvimento da interoperabilidade com os dispositivos eletrónicos espanhóis de pagamento de portagem.