Em 2013, os funcionários públicos que passaram à reforma tinham em média 61 anos. Já no setor privado os pensionistas reformaram-se aos 63 anos, em média. Segundo a Pordata, citada pelo Público, 47% dos indivíduos entre os 55 e os 64 anos estavam empregados no ano passado.

Além dos 155.581 pensionistas da Segurança Social que em 2013 estavam a receber pensões por reforma antecipada, os restantes repartiam-se entre os que estavam desempregados, em formação, ou inativos.

Os dados surgem esta quarta-feira, em que se assinala o Dia Internacional do Idoso. Portugal tem 20% da sua população residente com 65 e mais anos, o que o torna o 4º país da União Europeia com maior percentagem de idosos (18%), a seguir à Itália.

Ainda no ranking europeu, Portugal é o 7º país com maior percentagem de pessoas idosas a viver abaixo do limiar da pobreza (23,6%), uma posição a que não será alheio o facto de 77,9% dos pensionistas de velhice e da Segurança Social auferirem pensões inferiores ao salário mínimo nacional.