O Governo russo definiu esta terça-feira medidas para «estabilizar» o rublo, em queda acentuada pelo segundo dia consecutivo, anunciou o ministro da Economia após uma reunião de emergência.

Alexei Ulyukayev, citado pelas agências russas, disse, no entanto, que não estão a ser preparadas medidas para limitar movimentos de capitais.

Na segunda-feira, o rublo teve uma desvalorização de quase de 10%, sem precedentes desde a crise financeira de 1998.

Esta terça-feira, a moeda russa continuou a perder valor, apesar do banco central da Rússia ter anunciado na segunda-feira à noite um aumento da sua taxa diretora de 10,5% para 17%.

Em dois dias, a moeda russa perdeu mais de 20%.

«Definimos um conjunto de medidas que deve permitir uma estabilização da situação», que é «muito complexa», declarou o ministro, à saída de uma reunião convocada pelo primeiro-ministro, Dmitri Medvedev.

As medidas devem «garantir um equilíbrio entre a oferta e a procura no mercado cambial, aumentando a liquidez cedida aos bancos russos» em divisas, explicou.

As decisões do Governo abrangem igualmente mecanismos de apoio ao setor bancário para garantir o seu bom funcionamento e a qualidade dos créditos, incluindo «recapitalizações» de alguns estabelecimentos.

O objetivo do Governo é «apoiar a decisão responsável» do banco central de aumentar a sua taxa diretora para 17%, referiu o ministro, considerando que a intervenção do Banco da Rússia deveria ter ocorrido «mais cedo».

Questionado sobre a adoção de medidas para limitar os movimentos de capitais, o ministro afirmou que essa hipótese não foi discutida.